Posts Marcados Com: aprendizagem

Todos somos Amy

Todos somos talentosos.

Temos talento em costurar abraços ao redor de quem gostamos. Fazer minar sorriso de onde estava vertendo lágrima. Temos o talento de disfarçar a dor e dela brotar consolo pro outro, mesmo quando temos pouco até para nós. Temos o talento de nos trancarmos em nossos afazeres diários por uma remuneração ingrata .Não importa o quanto ganhe. Pode achar que ganha muito ou o justo. O quanto vale sua vida? Sim. SEMPRE será um preço ingrato que nos vendemos.

Temos o talento da crença. O dom. É um dom acreditarmos no outro. No porvir, no invisível e ainda mais difícil: acreditarmos em nós.

Temos o talento musical. Cada célula está conectada com um som que nos faz bem. Não precisa ser exímio dançarino ou manifestar seus dotes “afinados” no banheiro, somente. Temos o talento embrionário de conectividade com música que cura, que nos traz de volta, que nos deixa acontecer.

Todos somos suscetíveis à loucura plena.

Todos nós um dia enlouquecemos de amor. Ou mesmo que não foi de amor, enlouquecemos.

Tenho quase certeza que a maioria de nós chorou uma noite inteira ou a maior parte dela e chegou a pensar que não tinha mais saída. Motivo? Você com o seu, eu com o meu, ela com o dela. Tivemos. Todos nós questionamos o bem e o mal. E os porquês nos visitaram. Mesmo que por frações de segundo, todos tivemos interrogações perturbadoras.

Todos temos medo.

Medo de barata, da grana não dar contar de tudo, do nosso cachorro morrer… De não agradar a pessoa que estamos beijando, de cair no meio da rua e passar vergonha. De perder nossos pais, de manchar a unha ao sair da manicure. De ficar pra sempre desempregado, de sermos assaltados violentamente, de que chova e estejamos sem guarda chuva. De sermos os únicos numa festa à fantasia COM fantasia. De nosso sorvete preferido cair no chão assim que acabamos de comprar. Da balança mostrar 5kg a mais. Do nosso amor nos deixar. De amigo nos magoar. De envelhecer sozinho. Da gente não acertar.

Todos arriscamos nossas vidas.

O danone estragado, o porre mal controlado, o remédio auto medicado, a corrida no farol amarelo, a queda perto de uma quina, a falta de filtro solar. A brincadeira perto da escada, a maldade alheia, a inveja do outro. O salto do pára-quedas, a transa boa e desesperada que ‘não dá tempo’ da camisinha, o elevador fora do andar, a infecção do estômago mal cuidada, a droga que ‘nem é’ tão droga assim. Eu me arrisquei, Marinalva se arriscou, Seu Rodrigues – sempre tão precavido – não trocou a mangueirinha do gás já vencida. Todos nos enxergamos (inconscientemente???) imortais.

Um ano que Amy Whinehouse morreu. Qual a diferença entre nós e ela?

“Todos somos talentosos
Todos somos suscetíveis à loucura
Todos temos medo
Todos arriscamos nossas vidas
Todos somos Amy”

Saudade. E que a paz finalmente a tenha encontrado.

Beijos e muita luz a todos!

Anúncios
Categorias: Crônicas na Mesa | Tags: , , , , | Deixe um comentário

O que aconteceu com a gente?

O que aconteceu com a gente, né?

O que será que aconteceu com nossa espécie?

Eu me preservei o direito de ficar sozinha afetivamente, sem laços, sem outras descobertas, sem suspiros. Eu optei de verdade por que queria sentar com a Selma e saber dela. Saber lá no fundo quem ela era e pousar um pouco aquela coisa de ser adaptável, de agradar, de encaixar-se na ideia que o outro faz dela. Ideia, como o nome próprio nome diz, é idealização. Não é real. To quieta e tranquila como há muito não estava. Com coração em águas calmas. Ouço músicas de amor, cantarolo e não penso em ninguém. Sério, cara! Faz muito tempo que eu não fazia isso (será que eu já fiz? Dúvida agora…). Isso eu chamo de minha maturidade ,não imponho que seja, mas na minha perspectiva pessoal é.

E tenho acompanhado e visto tantas coisas desesperadoras que me assombram.

A necessidade absoluta de mudar o status no facebook tem feito as pessoas tropeçarem nas outras para terem qualquer tipo de relacionamento. Mesmo mediano. Mesmo que você note claramente que a coisa não emplaca. Que é apenas para não ficar sem par quando a turma sai ou para estar dentro do grupo que tem alguém. Mas ter alguém é o que, será? Não acho que seja só mostrar para os outros. Eu penso que vai além disso. Não de raiz utópica, mas sabe… A coisa de ser natural. De acontecer em 1 mês, 1 semana ou 2 dias, mas ser de fato REAL. O desespero é latente do TEM QUE DAR CERTO , de ter uma relação para nutrir o “amor” porque ainda seguem exigências de padrão social. Acho tão penoso isso. Perder o tempo de duas pessoas para mostrar-se de acordo.


O clichê “arrume seu jardim para que as borboletas venham” sempre soou piegas para mim. Eu não escondo minha breguice romântica de ninguém. De gosto por Roberto Carlos ou por gostar de flores e surpresas. Mas aos poucos passei a entender. Como se alguma coisa me puxasse de volta ao banco de aprendizagem toda vez q eu tentava sem estar pronta. Eu não estava, sabe. Deleguei poder ao outro para me fazer sofrer de algum modo. E quando se está repleta de si, você não delega esse poder a ninguém, ele é só seu. Além disso, cometi o erro de dar além do que recebia. Doar-se para ser aceita. E obviamente sem a devolutiva, o vazio. O erro não foi do outro ou se foi, foi menor que o meu. Eu rifei meu carinho, minha paixão, meu tempo. Eu que etiquetei preço, logo deram o que aceitei. Talvez empelida por essa mesma atmosfera lamentável que ainda estão em algumas pessoas de TER QUE.

Hoje, trazida de volta ao banco da aprendizagem entendo melhor a frase que citei. 

Arrumar o jardim é não menos que plantar sementes. As sementes tem que morrer para o novo florescer. Concordem que não deixa de ser um sepultamento. Enterrar sementes e sufocá-las em terra para o novo dar a graça é uma forma de sepultar. Essa é a coisa. E enquanto estão ali, germinando, estou procurando regá-las com cuidado. Vendo exatamente o que cada coisa em meu jardim precisa. Sabemos que o que é bom pra uma planta não é para a outra. Por muito tempo dei para minhas florzinhas e meu plantio o mesmo que o vizinho usava e errei. Secaram, morreram. E esse processo todo doeu absurdos,mas ontem mesmo falei do padre Fábio Melo que falou ” Só conhecemos verdadeiramente a essência das coisas à medida que as purificamos. O mesmo acontece na nossa vida. Nossos valores mais essenciais só serão conhecidos por nós mesmos se os submetermos ao processo da purificação”.  E tenho visto verdade nisso. Dói. Dá trabalho e às vezes certa angústia. Mas devagarzinho e sem pressa, vou consertando tudo por aqui. Assim, sozinha e fazendo as pazes comigo.

Eu espero que eu adube bem as coisas agora. Que as borboletas que vierem agora, fiquem. Ainda que não vierem que eu não me desrespeite de novo como vejo lamentavelmente tanta gente fazendo. Romances apelativos, pobreza de sentimento, encaixes forçados.

Espero que nossa espécie volte a ser o que era um dia… Volte a gostar de si .

Volte a mexer na sua terra. Volte a mexer no seu barro e aí sim, entender-se antes para depois saber de outro amor que não seja o seu.

Beijos e muita luz a todos!

Categorias: Crônicas na Mesa | Tags: , , , | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.